Facada Fest e um ethos impresso do rock: ressonâncias da transgressão e da resistência do gênero musical através do pôster do festival

Autores

Palavras-chave:

Facada Fest., Pôster., Ethos impresso do rock., Punk., Resistência.

Resumo

Neste artigo analisamos o pôster da edição de 2019 do festival Facada Fest como uma notável agência do que chamamos de ethos impresso do rock, tanto em função dos seus aspectos visuais (críticos ao atual governo brasileiro) quanto por seus desdobramentos múltiplos no tecido social, ao inspirar artefatos similares e novos eventos. Examinamos o pôster à luz do que tomamos, a partir de aproximações históricas do rock com manifestações sociopolíticas, como um ethos transgressor do gênero, que seria dimensionado também em seus materiais impressos, como pôsteres, especificamente nos anos 1960 e no punk. Assim, o episódio atual se configura como uma ressonância e uma atualização possível de um modo de ser do rock que é intimamente ligado à ação política e à resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas Pilz, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Thiago Pereira Alberto, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

Alberto, Thiago e Xavier, Giselle. 2014. Exílio na Rua Principal: a música como expressão da identidade territorial e em rede na banda Los Porongas. Tropos: Comunicação Sociedade e Cultura. https://tinyurl.com/yb39hkhj.

Binder, Victoria. 2017. San Francisco Psychdelic rock posters. In: Summer of Love: art, fashion and rock n´roll. Los Angeles: University Of California Press.

Brook, Stacey. 2013. Learning the language of the rock pôster underground. https://tinyurl.com/y8q9waml

Durkheim, Émile. 2009. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na. Austrália. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. 1999. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Frith, Simon. 1996. Performing Rites: on the value of popular music. Massachusetts: Harvard University Press.

Frith, Simon. 2002. The suburban sensibility in British rock and pop’. In Silverstone, Roger. Visions of Suburbia. London: Routledge.

Hebdige, Richard. 1979. Subcultures: The Meaning of Style. London: Routledge

Hollis, Richard .2000. Design gráfico: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes.

Goswod, Ricardo. 2020. “Em cartaz, o espetáculo! A relevância de cartazes de shows”. Jorle, 31 de janeiro de 2020. https://tinyurl.com/yc4u6vsh

Grossberg, Lawrence. 1997. Dancing in Spite of Myself: essays on popular culture. London: Duke Unvieristy Press.

Janotti Junior, Jeder; Pilz, Jonas e Alberto, Thiago Pereira. 2019. "F**K YOU ROGER, PLAY THE SONGS": rock, política e rasuras na turnê de Roger Waters no Brasil em 2018. Artigo apresentado na XXVIII Compós, Porto Alegre, junho de 2019. https://tinyurl.com/yaggsmkg

Jenkins, Henry; Ford, Sam e Green, Josuha. 2014. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph.

Larsen, Al. 2013. Fast, cheap and out of control: The graphic symbol in hardcore. In: Punk & Post-Punk Volume 2. Londres: Intellect.

Keightley, Keir. 2001. Reconsidering Rock. In Frith, Simon. The Cambridge Companion to Pop and Rock. Cambridge: Cambridge University Press.

Marcus, Greil. 2011. Lipstick Traces: A Secret History of the 20th Century. New York: Faber & Faber.

Merheb, Rodrigo. 2004. O Som da Revolução: uma história cultural do rock 1965-1969. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Miller, Daniel. 2007. Consumo com cultura material. In: Revista Horizontes Antropológicos. vol.13 no.28. https://tinyurl.com/y8uxt2vs

Miller, Daniel. 2013. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Porcidonio, Gilberto. 2018. “Bandas, artistas e festivais brasileiros dizem não ao fascismo no rock”. O Globo, 15 de outubro de 2018. https://tinyurl.com/ya6g7sq3

Reyndols, Simon. 2011. Retromania: pop culture´s addiction to it´s own past. New York: Faber & Faber.

Turcke, Christoph. 2010. Sociedade Excitada: uma filosofia da sensação. Campinas: Editora da Unicamp.

Publicado

2021-05-27

Como Citar

Pilz, J., & Pereira Alberto, T. (2021). Facada Fest e um ethos impresso do rock: ressonâncias da transgressão e da resistência do gênero musical através do pôster do festival . MusiMid: Revista Brasileira De Estudos Em Música E Mídia, 2(1), 160-181. Recuperado de http://www.musimid.mus.br/revistamusimid/index.php/musimid/article/view/37

Edição

Seção

Artigos